domingo, 20 de dezembro de 2009

Sobre o projeto



Ao caminhar pelo Parque do Cocó você pode pensar em como é desagradável olhar para aqueles gatos feios, doentes e assustados mas, alguma vez já imaginou como os olhos de um gato abandonado o vê? Não esqueça que para essa triste realidade, existe duas perspectivas: a nossa e a deles.


Em muitos casos, quando uma família resolve criar um gato ou cachorro, o faz motivado por razões que nem sempre levam em consideração as necessidades do animal, nem seu tempo de vida. Erro comum e fatal é acharem que castrar seu animal é cruel, mas não, descartar os filhotes quando os animais começam a se reproduzir, gerando um ciclo de abandono e superpopulação de animais errantes. Afora os maus-tratos a que os animais estão sujeitos e as doenças que adquirem por não receberem qualquer assistência, eles passam a ser rotulados injustamente como "problema de saúde pública", enquanto seus donos irresponsáveis perpetuam o ciclo.


Para o animal que durante uma parte de sua vida foi cuidado e protegido, o abandono pode ser extremamente traumático, eles sentem muito medo e o sentimento de rejeição pode levar o animal à depressão, como se isso não bastasse, eles estão SEMPRE sujeitos à todo tipo de maus-tratos, sofrem e morrem todos os dias doentes por falta de cuidados, passam fome e frio.


A realidade é que os gatos que vivem no Parque do Cocó NÃO estão bem. Grande parte dos animais sofre de vários tipos de infecções e outros problemas de saúde que podem atingir gatos que não foram imunizados e, por essa razão, principalmente os filhotes, morrem quase todos os dias. Há ainda o constante risco de serem atropelados na movimentada avenida e os transtornos causados pelos shows (alguns filhotes já morreram pisoteados), e pelas chuvas (no parque praticamente não existem estruturas cobertas).


Por essas razões, nosso grupo decidiu agir para incentivar e praticar uma mudança na vida desses animais e no olhar das pessoas com relação aos seus direitos.


Objetivos do projeto


Esterilização
Esterilizar (histerectomia ou vasectomia) gradativamente todos os gatos do parque.

Tratamento
Vermifugar e vacinar (múltipla e antirábica) os animais que serão encaminhados para adoção.

Adoção
Encaminhar os animais saudáveis para novos lares, através do termo de tutela responsável, e posteriormente fazer o acompanhamento do processo de adaptação do animal na nova casa e com o novo tutor.

Educação
Utilizar campanhas, eventos e outros meios de divulgação, com o objetivo de consolidar uma consciência mais responsável com relação aos direitos dos animais e cada vez mais preocupada com seu bem-estar.



Para obtermos sucesso nessa empreitada, necessitamos PRINCIPALMENTE da conscientização de cada um. Ter um animal de estimação é uma ESCOLHA, se você optar por trazer um para casa, entenda que seu bem-estar passará a ser sua responsabilidade e o ABANDONO nunca deve ser uma opção.  Animais NÃO SÃO BRINQUEDOS, jamais adote impulsivamente ou apenas porque seu filho quer, pense se você terá condições de mantê-lo por pelo menos 15 anos, resguardando  o seu direito à ALIMENTAÇÃO e BOAS CONDIÇÕES DE SAÚDE, respeitando suas LIMITAÇÕES e lhe dedicando ATENÇÃO E CARINHO. Considerados esses pontos, a ADOÇÃO será extremamente gratificante, melhorando a convivência entre humanos e animais!

1 comentários:

Helô disse...

Fantástica a iniciativa de vocês! Precisamos conscientizar a população de que somos sim responsáveis pelos animais e até pessoas abandonadas nas ruas. O abandono, o descaso, maus tratos são assuntos que devem fazer parte do dia dia de todas as pessoas! Responsabilidade social e educação ambiental! Parabéns a vocês pela iniciativa. Que essa idéia possa atingir as pessoas e que vocês consigam mudar a realidade desses animais!!